Terça-feira, 23 de Dezembro de 2008

O jogo como função educativa segundo alguns autores

 

 

Froebel dizia que "o jogo é o espelho da vida e o suporte da aprendizagem", tendo sido um dos primeiros educadores a utilizá-lo na educação de crianças. Ele criou materiais diversos, que conferiram ao jogo uma dimensão educativa.
 
Maria de Montessori (1960), respeitando as manifestações espontâneas da criança utiliza, amplamente, os jogos sensoriais para exercitar e desenvolver cada um dos sentidos. Para ela, a educação do conhecimento efectua-se através das sensações. Montessori percebeu que a brincadeira transmite à criança o amor pela ordem, o amor pelos números, pelas figuras geométricas, pelo ritmo e transferiu para a sua pedagogia, a utilização de jogos e materiais pedagógicos capazes de desenvolver nas crianças o sentido da ordem, ritmo, forma, cor, tamanho, do movimento, da simetria, da harmonia e do equilíbrio.
 
Decroly (1914) também valorizou na sua pedagogia, a actividade lúdica, transformando os jogos sensoriais e motores em jogos cognitivos, ou de iniciação às actividades intelectuais propriamente ditas. Nele, a ideia chave é o desenvolvimento da relação nas necessidades da criança, no trabalho e, sobretudo, na reflexão.

 

publicado por letirodrigues às 13:40

link do post | comentar | favorito
|

O jogo como função educativa

 

        

            Quando se fala de jogo educativo referimo-nos ao jogo elaborado na intenção de distrair e instruir ao mesmo tempo. Desta forma, o jogo educativo tem sempre duas funções: uma função lúdica, na qual a criança encontra prazer ao jogar, e uma função educativa, através da qual o jogo ensina alguma coisa, ajuda a desenvolver o conhecimento da criança e a sua apreensão do mundo.

Todo o valor do jogo educativo, na escola, está no cumprimento destas duas funções. Se ele perde o carácter lúdico em benefício da aprendizagem, transforma-se num instrumento de trabalho, num mero objecto de instrução e aí o jogo deixa de ser jogo. A brincadeira, para ser auxiliar da aprendizagem, precisa de conciliar a função lúdica e educativa, sabendo que o facto de brincar não anula totalmente a dimensão educativa, nem esta se deve converter na única razão de utilizar o jogo na escola. Tudo isto põe ao educador a responsabilidade do planeamento e selecção das actividades na escola. Como proceder? Pelo menos quatro critérios devem ser levados em conta:
 
Em primeiro lugar, o valor experimental do jogo, isto é, o que ele permite à criança desenvolver como experiência, como manipulação;
 
Em segundo lugar, o valor da estruturação, contribuição para a construção e estruturação da personalidade da criança;
 
Em terceiro lugar, o valor da relação; de que maneira a brincadeira permite à criança relacionar-se com os outros e com o meio ambiente;
 
Em quarto lugar, o valor lúdico como tal: que prazer, alegrias e emoções a brincadeira vai causar às crianças que brincam.
 

publicado por letirodrigues às 13:25

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

O que é o jogo dramático segundo alguns autores?

 

"Uma acção de uma actividade voluntária, realizada dentro de certos limites de tempo e de lugar, segundo uma regra livremente consentida, mas imperativa, provinda de um fim em si, acompanhada de um sentimento de tensão e de alegria e de uma consciência de ser diferente do que se é na vida normal."
 
(Johan Huizinga)
 
 
 "Antes de tudo, prazer. É também uma actividade séria em que o fingir, as estruturas ilusórias, o geometrismo infantil, a exaltação, têm uma importância considerável."
 
 (Jean Chateau)
 
 
"Toda a ocupação sem qualquer outra finalidade que não seja a ocupação em si mesma. É uma actividade fortuita e infinitamente flexível que nos brinda uma oportunidade para ampliar e reorientar tanto a mente como o espírito."
 
(Newson)
 
sinto-me:
publicado por letirodrigues às 12:53

link do post | comentar | favorito
|

O jogo dramático na escola

 

 

 
 O jogo dramático atinge o seu expoente máximo no Jardim-de-infância, é um jogo em que a criança faz de conta que é outrem, simulando o real através da experimentação e representação de papéis e situações do universo das suas relações sociais.
Quando as crianças se encontram na nos diversos departamentos existentes dentro de cada sala de aula como por exemplo a"Casinha das Bonecas" jogando cada uma delas o papel de Mãe, elas expressam o modo como sentem a realidade representando as suas vivências quotidianas. Porque o processo verbal é complicado, expressam-no pela acção, pelo jogo, revivendo a realidade.
Nos diferentes espaços, as crianças exteriorizam o que vivem interiormente, expressando pela acção, ideias, sentimentos e emoções e traduzindo muitas vezes a imitação de tarefas, papéis e actividades do adulto. Para além do desejo de compreensão de todo esse mundo, as crianças expressam o que dele sentem.
A actividade de jogo dramático descrito não resulta de regras, não resulta da vontade de produzir uma obra nem de nenhuma expressão estética determinada, antes resulta da vontade da criança em exprimir os seus sentimentos, emoções e interesses face a uma realidade que deseja viver e reviver através da acção.
Mas a criança, neste processo de jogo dramático, deseja comunicar com o outro o que sente. Para sua afirmação e para exteriorização do Eu, tem necessidade que outro jogue também.
Nesta actividade a criança necessita de uma matriz planificada; necessita igualmente de uma observação sistematizada e de intervenção. Com efeito, para que a espontaneidade da criança se desenvolva torna-se necessário induzi-la directa e indirectamente.
Directamente, assumindo a educadora papéis específicos que permitam fazer evoluir o jogo; indirectamente, pela construção de cenários pedagógicos cuidadosa e planificadamente preparados assim como pela colocação de vários materiais e adereços postos à disposição das crianças.
 
 

 

publicado por letirodrigues às 12:13

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 20 de Dezembro de 2008

O jogo dramático no desenvolvimento educativo

 

 
“O jogo dramática encoraja a criança a expressar o seu mundo interior e a sua fantasia, reflexo da sua realidade própria e ajuda-a a integrar-se no mundo exterior dentro do seu esquema de pensamento.”
 
 
O jogo dramático tem um forte valor educativo a vários níveis porque se tivermos em atenção ajuda a criança:
 
 
*           A expressar-se; uma vez que a criança está continuamente registando impressões e factos acerca dela própria e do mundo que a rodeia e porque no drama ela exprime os seus sentimentos ou o seu sentido das coisas, e com o estimulo dos que a observam, pode reconsiderar e pode fazer um ajustamento, clarificando e compreendendo e desenvolvendo o seu “eu” em relação ao mundo que a rodeia;
 
*           A desenvolver a imaginação; porque o trabalho da imaginação envolve a transferência do “eu” para uma situação diferente ou não presente, ou para uma identificação com “outro”. Esta modalidade mental ajuda para uma compreensão mais clara de como as outras pessoas vivem e sentem.
Função importante na sociabilidade. Por outro lado a imaginação está na essência de toda a criatividade, transformando experiências e imagens acumuladas, em novas ideias.
 
*               A desenvolver a oralidade, porque a comunicação oral é resultado de um envolvimento autêntico em situações em que existe um verdadeiro contacto humano.
         De um autêntico desejo de expressar sentimentos e ideias, do qual resulta uma fluência, um vocabulário apropriado, uma riqueza de entonações e uma força emocional que desenvolve uma comunicação verdadeira e original. E enriquece a personalidade futura.
 
*                       A desenvolver a oralidade; porque a comunicação oral é resultado de um envolvimento autêntico em situações em que existe um verdadeiro contacto humano. De um autêntico desejo de expressar sentimentos e ideias, do qual resulta uma fluência, um vocabulário apropriado, uma riqueza de entonações e uma força emocional que desenvolve uma comunicação verdadeira e original. E enriquece a personalidade futura.
 
*                 A organizar as ideias; através do desenvolvimento da imaginação resulta um debochar de ideias, e a criança aprende então a organiza-las segundo o desenvolvimento das suas estruturas e a chegar assim a uma forma reconhecível. Esta aprendizagem ou compreensão deriva de um “estar” perante problemas concretizados e que exigem solução. 
 
*           A sensibilizar os valores estéticos; A actividade dramática ajuda a tomar conhecimento de uma maneira natural com as outras artes em geral. A exigência de um envolvimento pessoal aumenta a sensibilidade para uma atmosfera de uma maior profundidade emocional, o que prepara a criança para uma melhor compreensão da vida futura.
 
publicado por letirodrigues às 17:27

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2008

O Jogo dramática na vida das crianças

 

 

  

 

               O jogo dramático na vida de uma criança é uma representação de acções, realizadas com base na observação das diversas e diferentes situações que ocorrem no a dia.

É uma exploração intuitiva de personagens do mundo da fantasia e do mundo real em acção, o que, permite a criança recriar vivências projectadas para o campo imaginário de sensações, emoções, jogos, movimentos e atitudes que por sua vez desencadeiam uma organização de ideias, acções e desenvolvem a capacidade de imaginação e oralidade.

 O jogo dramático é o campo de aprendizagem dos mais pequenos é o mundo em que vivem, aprendem e crescem. Dai ser importante que a criança contacte com objectos e “coisas” que ela vira a utilizar com a sua fantasia (improvisações) e deve ser fundamental que o adulto desencadeie situações que tenham ressonância na experiência da criança. Situações sobretudo lúdicas e seguidas sem pensamentos pré concebidos pela lógica e exigência do adulto. Não deixando de aceitar as ideias da criança e sobretudo compartilhar na alegria e na sinceridade o que as crianças põem nessas explorações e contribuir para um ambiente desinibido.

publicado por letirodrigues às 10:13

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Dezembro de 2008

A expressão dramática

 

 

A EXPRESSÃO DRAMÁTICA.

 

 

"É um corpo que as crianças exploram, aprendem e reagem aos estimulos do meio envolvente"

 

  

A expressão dramática é definida “por uma dupla necessidade: expressão e comunicação, uma vez que, há expressão dramática sempre que alguém se exprime pelo gesto e/ ou pela palavra, para os outros com prazer. É um jogo que não esta subordinado ao texto nem a cenários, mas sim um jogo, em que o texto é substituído pela palavra improvisada, ou estabelecida através de um guião, em que o cenário é substituído pela sala de aulas.”

Quando nos referirmos à Expressão Dramática, temos que assegurar que esta área de expressão não pode ser confundida com teatro, na medida em que o jogo dramático não parte de um texto que traduz uma acção dramática, evolutiva, através de situações a serem vividas pelas personagens.

O jogo dramático que pode ser realizado através de jogos de apresentação, jogos de sensações, jogos de pantomima, jogos narrativos, jogos de sons, jogos com máscaras, jogos com disfarces e muitos outros, é um exercício da criança e para a própria criança que parte de uma acção e não de um texto que embaraça a criança.

Para uma melhor compreensão do que anteriormente foi referido, passo a transcrever algumas palavras de Marie Dienesch, citado no livro, “A criança e a expressão dramática”, (p. 24) “Partindo de uma acção e não de um texto, a criança não corre o risco de cair nesta confusão fundamental: as palavras já não tomam para dela o lugar da acção, pois esta é apreendida antes da utilização de qualquer forma verbal. Além disso, levada a criar o seu próprio texto, quando se chega ao momento em que as palavras satisfazem uma necessidade interior, e só então ela experimenta a verdadeira natureza da linguagem dramática, em que todo o que possa ser indicado por um meio diferente da palavra não deve ser dito, e em que a palavra assume o seu valor insubstituível e soberano, afim de ser uma evolução interior já contida na vida física do actor.”

 Neste sentido, e segundo os autores Golton, Robert, e Clero Claude podemos afirmar que “a expressão dramática é um jogo visual ou/e auditivo onde a criança durante a improvisação, intervêm com o corpo e/ou com a palavra, com a sua timidez e a sua sensibilidade, com as suas recordações e os seus sonhos. Actua só ou com outras crianças, fala-lhes ou responde-lhes, adere ao real ao foge-lhe, ou seja, é um jogo que não tem como objectivo ganhar o colega mas sim encorajar o envolvimento e cooperação em grupo” isto, através de uma forma dinâmica de entretenimento, em que se confere expressão dramática aquilo que se imagina. Sendo um meio através do qual a criança pode, de uma forma criativa, dar livre curso as suas ideias, desenvolvendo as mesmas e os conflitos das situações ocorrentes segundo a sua própria experiência.

 

 

 

 

publicado por letirodrigues às 14:50

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.Mensagem!


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O jogo como função educat...

. O jogo como função educat...

. O que é o jogo dramático...

. O jogo dramático na escol...

. O jogo dramático no desen...

. O Jogo dramática na vida ...

. A expressão dramática

.arquivos

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

.links

.Utilizadores Online

online

.Tradutor

.Visitas

.Relógio


More Goodies @ NackVision

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds